Bombas de insulina Paradigm®

Perguntas frequentes

Bomba de insulina

Posso usar conjuntos de outras marcas com a bomba de insulina Minimed Paradigm®?
É importante ter em conta que não testamos os reservatórios e os conjuntos de infusão de outras marcas. Portanto não garantimos nem acompanhamos o funcionamento de outros reservatórios ou conjuntos de infusão que não sejam desenhados por nós. O uso de consumíveis de outras marcas anula a garantia dos nossos dispositivos.
O que devo introduzir no calculador Bolus Wizard, a leitura da medição capilar ou os valores do sistema de monitorização contínua da glicose (CGM)?
Deve introduzir os valores da medição capilar no calculador Bolus Wizard.
Como escolho o conjunto de infusão certo para mim?
Encontrará aqui3 toda a informação sobre cada um dos conjuntos de infusão.
Como posso saber que bomba de insulina MiniMed Paradigm ® é a mais adequada para o meu caso?
Analise com o seu médico já que essa decisão depende das necessidades de insulina de cada doente.

Desenhámos a bomba de insulina, ou monitor,  MiniMed Paradigm® VEO 754 para aqueles pacientes que usam ou prevêm usar mais insulina no futuro (mais de 50 unidades por dia). A bomba de insulina MiniMed Paradigm® 754 pode conter até 300 unidades de insulina; também pode utilizar um dos 2 reservatórios MiniMed Paradigm®: o reservatório de 1,76 ml (MMT-326A) ou  o de 3,0 ml (MMT-332A). Portanto, se prevê mudanças no seu estilo de vida, como por exemplo uma gravidez ou se está na adolescência, apreciará a flexibilidade de poder aumentar ou reduzir a capacidade do reservatório.  Se actualmente usar mais de 50 unidades por dia, talvez prefira usar o MiniMed Paradigm® 754 pela maior capacidade do reservatório.
A bomba de insulina, ou monitor,  MiniMed Paradigm® VEO 554 só pode conter o nosso reservatório de 1,76 ml  que comporta até 176 unidades de insulina. É ideal para aqueles pacientes que precisam de menos de 50 unidades de insulina por dia. E ainda é a melhor opção para quem deseja a máxima discrição já que, este membro da família das bombas de insulina, ou monitor  MiniMed Paradigm®, é o mais pequeno e mais leve de todos.
Qual é a quantidade mínima programável para os índices basais da bomba de insulina MiniMed Paradigm®?
A bomba de insulina,  MiniMed Paradigm® VEO pode ser programada em incrementos basais de 0,025 unidades.
Quanto pesa a bomba de insulina MiniMed Paradigm®?

A bomba de insulina, MiniMed Paradigm® 554, com o reservatório cheio pesa apenas 100 gramas. A bomba de insulina, ou monitor, MiniMed Paradigm® 754 com o reservatório cheio pesa apenas 108 gramas.
Que dados do sistema de monitorização contínua (CGM) pode a Paradigm® VEO ou o Guardian REAL-Time armazenar?

A bomba de insulina, armazena os dados, do sistema CGM, dos últimos 90 dias; estes dados podem ser descarregados para uma análise cronológica.
Posso nadar e tomar banho com a bomba de insulina MiniMed Paradigm®?
Apesar da bomba de insulina ser resistente à água, o que significa que está desenhada para não se danificar em caso de imersão ou de salpicadelas acidentais, convém desligar temporariamente a sua bomba de insulina, MiniMed Paradigm® enquanto toma o seu banho ou no caso de pretender realizar actividades junto à água ou dentro dela.  Caso preveja desligar a bomba de insulina regularmente, para nadar ou outras actividades, estabeleça com o seu médico um plano para controlar a diabetes nesse intervalo de tempo.
Qual o tamanho da bomba de insulina MiniMed Paradigm®?

A bomba de insulina, MiniMed Paradigm® VEO 554  é a bomba de insulina mais pequena e tem todas as funcionalidades da Medtronic Diabetes. Tem aproximadamente o tamanho de um telemóvel, só mede 5,1 x 7,6 x 2 cm. O modelo Paradigm® VEO 754 é aproximadamente 1,5 cm maior que a bomba de insulina 554: as suas dimensões exactas são: 5,1 x 9,1 x 2 cm.

Outros tipos

Os PC's, os telemóveis ou os sistemas de detecção dos aeroportos afectam as bombas de insulina ou os monitores contínuos da Medtronic ?
O design das bombas de insulina MiniMed Paradigm® e dos sistemas de monitorização contínua da glicose proporcionam protecção contra as interferências electromagnéticas comuns, como por exemplo os sistemas de segurança dos aeroportos.
O transmissor Minilink envia informação às bombas de insulina Paradigm® VEO, Paradigm® REAL-Time,  assim como ao Guardian REAL-Time® por meio de radiofrequência. Caso use dispositivos que emitam radiofrequência, como por exemplo telemóveis, telefones sem fios ou redes sem fios, estes podem interferir na comunicação entre os dispositivos. Contudo, esta interferência não significa que os dados enviados sejam incorrectos ou que cause danos à bomba de insulina, monitor ou ao medidor. Para restabelecer a comunicação, afaste-se destes dispositivos ou desligue-os.
Como se desactiva a transmissão de sinais do transmissor à bomba de insulina ou monitor?
O transmissor começa a transmitir logo que se ligue a um sensor. O transmissor enviará dados mesmo que esteja desactivada a função de monitorização contínua da glicose (CGM) da bomba de insulina ou monitor.  Os doentes devem desligar fisicamente o sensor de glicose do transmissor. Caso pretenda, pode deixar o sensor da glicose inserido na pele.
As RM ou as radiografias interferem no sistema?
Se vai fazer uma radiografia, um TAC, um TC ou uma RM ou qualquer outro tipo de exposição à radiação, retire a bomba de insulina, ou monitor, o transmissor e o sensor e afaste-os da área de exposição.
Posso usar os sistemas MiniMed Paradigm® ou Guardian® se viajar de avião? Devo desligar a radiofrequência durante o vôo?

As normas internacionais  e a normativa da (FCC) Federal Communications Commission Americana proibem o uso dos dispositivos, que funcionam com radiofrequência, a bordo dos aviões. Portanto deve desligar o transmissor do sensor da glicose durante a viagem de avião, mas pode continuar a usar a bomba de insulina ou monitor.  Não chega desligar a função de monitorização contínua da glicose (CGM) da bomba de insulina ou do Guardian, já que o transmissor continuará a transmitir os dados por radiofrequência, pelo que deverá desconectar o sensor de glicose do transmissor para interromper esta comunicação.
Durante o vôo, deverá analisar os seus níveis de glicose manualmente com um medidor standard (por exemplo com o monitor Contour Link). Quando descarregar os dados e rever os relatórios cronológicos notará um «vazio de dados» no intervalo dos dados em falta.
As RM ou as radiografias interferem no sistema?
Se vai fazer uma radiografia, um TAC, um TC ou uma RM ou qualquer outro tipo de exposição à radiação, retire a bomba de insulina, ou monitor, o transmissor e o sensor e afaste-os da área de exposição.
Como se desactiva a transmissão de sinais do transmissor à bomba de insulina ou monitor?
O transmissor começa a transmitir logo que se ligue a um sensor. O transmissor enviará dados mesmo que esteja desactivada a função de monitorização contínua da glicose (CGM) da bomba de insulina ou monitor.  Os doentes devem desligar fisicamente o sensor de glicose do transmissor. Caso pretenda, pode deixar o sensor da glicose inserido na pele.
Os PC's, os telemóveis ou os sistemas de detecção dos aeroportos afectam as bombas de insulina ou os monitores contínuos da Medtronic ?
O design das bombas de insulina MiniMed Paradigm® e dos sistemas de monitorização contínua da glicose proporcionam protecção contra as interferências electromagnéticas comuns, como por exemplo os sistemas de segurança dos aeroportos.
O transmissor Minilink envia informação às bombas de insulina Paradigm® VEO, Paradigm® REAL-Time,  assim como ao Guardian REAL-Time® por meio de radiofrequência. Caso use dispositivos que emitam radiofrequência, como por exemplo telemóveis, telefones sem fios ou redes sem fios, estes podem interferir na comunicação entre os dispositivos. Contudo, esta interferência não significa que os dados enviados sejam incorrectos ou que cause danos à bomba de insulina, monitor ou ao medidor. Para restabelecer a comunicação, afaste-se destes dispositivos ou desligue-os.
Posso usar os sistemas MiniMed Paradigm® ou Guardian® se viajar de avião? Devo desligar a radiofrequência durante o vôo?

As normas internacionais  e a normativa da (FCC) Federal Communications Commission Americana proibem o uso dos dispositivos, que funcionam com radiofrequência, a bordo dos aviões. Portanto deve desligar o transmissor do sensor da glicose durante a viagem de avião, mas pode continuar a usar a bomba de insulina ou monitor.  Não chega desligar a função de monitorização contínua da glicose (CGM) da bomba de insulina ou do Guardian, já que o transmissor continuará a transmitir os dados por radiofrequência, pelo que deverá desconectar o sensor de glicose do transmissor para interromper esta comunicação.
Durante o vôo, deverá analisar os seus níveis de glicose manualmente com um medidor standard (por exemplo com o monitor Contour Link). Quando descarregar os dados e rever os relatórios cronológicos notará um «vazio de dados» no intervalo dos dados em falta.